Seguidores

maio 26, 2013

.Qual a origem da palavra SAMBA?

Imagem encontrada AQUI.
 
Embora samba e Brasil sejam hoje duas faces da mesma moeda, esta dança cantada é, segundo a generalidade das fontes, de origem africana: poderá tratar-se de uma corruptela do quimbundo semba («umbigada»). O quimbundo é um dos idiomas bantos de Angola.
Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa, de José Pedro Machado, embora comece por dizer que poderá tratar-se de um termo africano, também levanta a hipótese de samba ter a sua origem estar no tupi çama.
Segunda outra fonte (AQUI), há ainda a possibilidade de a origem estar na língua falada pelos povos do grupo étnico Ovimbundos, nomeadamente nas zonas centrais de Angola, o umbundo (outro idioma banto), onde a palavra samba significa estar animado ou excitado.
 
 
Conclusão:
Segundo a esmagadora maioria das fontes, samba vem do quimbundo semba.
Abraço.
AP


10 comentários:

  1. Permita-me uma pequena correção: o quimbundo não é o idioma banto de Angola; é um dos idiomas bantos de Angola. O umbundo, que também refere no seu artigo, é outro idioma banto de Angola (apesar da semelhança dos seus nomes, devida a uma origem etimológica comum, o umbundo e o quimbundo não são mutuamente inteligíveis).

    Em Angola falam-se vários idiomas bantos. Os mais importantes são o umbundo (o idioma banto mais falado de todos), o quimbundo, o quicongo (a língua do antigo Reino do Congo), o quioco, o ganguela, o nhaneca-humbe, o cuanhama e o herero. Há outras línguas que também têm bastantes falantes em Angola, como o lingala, do Congo-Kinshasa, que é falado por muitos antigos refugiados naquele país vizinho. Todas estas línguas têm, por sua vez, diversos dialetos e subdialetos. Alguns dialetos são por vezes considerados línguas por algumas pessoas. É o caso do luvale ou luena, falado na província do Moxico, que alguns consideram ser uma língua. A maioria dos linguistas, porém, afirma que o luvale é um dialeto do ganguela. Em Cabinda também há quem chame língua ao idioma local, o fiote, que outros consideram ser um dialeto do quicongo.

    Perante este quadro de tão grande diversidade linguística, facilmente se verifica a importância da língua portuguesa como língua franca e como idioma aglutinador da nacionalidade angolana. O português é, de longe, a língua mais falada em Angola, embora o seja muitas vezes de uma forma deficiente relativamente ao português padrão, que em Angola é o português de Portugal. Seja como for, mais e mais angolanos têm o português como sua língua materna. Se há em África um país que merece ser chamado lusófono, esse país é Angola.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa tarde, Fernando.
      Agradeço o seu comentário que corrige e completa o que escrevi. Já introduzi as correções.
      Sempre ao dispor,
      António Pereira.

      Eliminar
  2. ME AJUDOU MUITO SUAS INFORMACOES,ESTOU MUITO GRATO.OBRIGADO UM GRANDE ABRACO.

    ResponderEliminar
  3. mais que interessante este comentario

    ResponderEliminar
  4. Permita-me uma elucidação a linguística é por excelência o assunto mais importante da historia humana e portanto devemos ter o máximo de cuidado ao descreve-la é com admiração que tenho prazer em participar, bom seria se mais pessoas escolhessem este assunto como primordial em suas vidas, os muitos idiomas existentes hoje dificulta as pesquisas que a seculos tem obstaculo o progresso humano a anos tenho realizado pesquisas sobre o assunto e a dificuldade é sempre a falta de recursos humanos para avançar nesta questão; a gordura na linguística teve seu inicio na fuga desesperada da morte certa nas construções das piramides do Egito e coube para o povo judeu esta tarefa de extrema justiça na época por sua sabedoria havia reclamações contra Deus da falta de palavras o que despertou a ira por tamanha incredulidade e rejeição ao que Deus dera para seu sustento e por mais que os faraós procurassem não havia ninguém capaz de elaborar tamanho projeto tinha que ser alguém com o conhecimento de Deus e os hebreus foram levados cativos para que por justiça enterrassem seus mortos este é o simbolo das piramides o tumulo das gerações de Adão a Noé por isto foram chamados faraós ;
    E como vocês sitaram refugiados assim se deu a Grande Babilônia e ha estudiosos equivocados que diz não haver prova do povo judeu no Egito na data registrada nas escrituras sagradas não podemos querer que as escritas se adequar a nós é nós que temos que nos adequar a ela Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Walter:
      Publicar o seu comentário de 6 de maio foi um ato de cortesia, pois aquilo que escreveu nada tem a ver com o tema da postagem. Essa é a razão por que não publico o texto que deixou hoje na caixa de comentários. Encontrará certamente outros blogues adequados a questões relacionadas com as escrituras sagradas e a fé.
      Este blogue dedica-se apenas à divulgação da língua portuguesa.
      Cumprimentos.
      António Pereira

      Eliminar
  5. Os habitantes do antigo Reino do Ndongo e Matamba em dias de vitorias e festas cantavam e dançavam ritmos em honra e memória ao grande Rei Ngola Kiluanji Kya Samba, pai da Rainha Ginga Bandi. Sabe-se que nas diversas guerras contra os portugueses, os milhares de guerreiros da Rainha Ginga feitos prisioneiros, eram enviados imediatamente como escravos para o Brasil. Penso que foram eles que levaram as palavras Samba, Ginga (a Rainha Ginga era linda, inteligente, vaidosa, com uma forma de andar muito peculiar que incluía o remexer das ancas) e Mbunda (que em quimbundo significa nádegas). A palavra Ngola, deu origem ao nome Angola e em Luanda sempre existiu, uma área com o nome de Samba que deu origem a um bairro.

    ResponderEliminar
  6. Permita-me uma pequena correção: o quimbundo não é o idioma banto de Angola; é um dos idiomas bantos de Angola. O umbundo, que também refere no seu artigo, é outro idioma banto de Angola (apesar da semelhança dos seus nomes, devida a uma origem etimológica comum, o umbundo e o quimbundo não são mutuamente inteligíveis).

    Em Angola falam-se vários idiomas bantos. Os mais importantes são o umbundo (o idioma banto mais falado de todos), o quimbundo, o quicongo (a língua do antigo Reino do Congo), o quioco, o ganguela, o nhaneca-humbe, o cuanhama e o herero. Há outras línguas que também têm bastantes falantes em Angola, como o lingala, do Congo-Kinshasa, que é falado por muitos antigos refugiados naquele país vizinho. Todas estas línguas têm, por sua vez, diversos dialetos e subdialetos. Alguns dialetos são por vezes considerados línguas por algumas pessoas. É o caso do luvale ou luena, falado na província do Moxico, que alguns consideram ser uma língua. A maioria dos linguistas, porém, afirma que o luvale é um dialeto do ganguela. Em Cabinda também há quem chame língua ao idioma local, o fiote, que outros consideram ser um dialeto do quicongo.

    Perante este quadro de tão grande diversidade linguística, facilmente se verifica a importância da língua portuguesa como língua franca e como idioma aglutinador da nacionalidade angolana. O português é, de longe, a língua mais falada em Angola, embora o seja muitas vezes de uma forma deficiente relativamente ao português padrão, que em Angola é o português de Portugal. Seja como for, mais e mais angolanos têm o português como sua língua materna. Se há em África um país que merece ser chamado lusófono, esse país é Angola.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não entendi o objetivo do seu comentário. No artigo não se diz que o quimbundo é "o" idioma de Angola...

      Eliminar