Seguidores

fevereiro 27, 2013

.Professores de Português: “merceeiros dos tempos verbais”? (Luís Osório)

Não podia ficar indiferente ao artigo de Luís Osório, publicado no semanário “Sol”. Nesta análise (lúcida, acutilante, sem piedade) o autor insurge-se contra o facto de os alunos serem massacrados com conceitos teóricos, não sobrando tempo para o exercício do pensamento, traduzido nas capacidades de expressão escrita e oral…
Tendo lecionado durante 35 anos letivos, sei que a tarefa é árdua para os professores de Português. Afogados numa burocracia estúpida, perdidos em horas de reuniões (de análise de documentos, de planificações, disto e daquilo), com turmas a abarrotar, não lhes sobra tempo para pensar e criar as suas próprias estratégias que permitam que a sala aula seja um verdadeiro espaço de comunicação.


A disciplina de Português é um crime contra o futuro

por Luís Osório

Estudar Português com os meus filhos é uma viagem ao inferno. Faço por disfarçá-lo. Talvez por achar que as dúvidas acabarão por prejudicá-los ainda mais do que a conta a pagar.
 Mas cá para nós. Para os que acreditam que o pensamento deve alargar-se com especulação, sonho, dúvidas. Para os que julgam ser a escrita a melhor ferramenta para se compreender e viajar pela língua que deveríamos defender como soldados de um exército do pensamento. Para os que lêem romances, biografias e ensaios. Para os que escrevem e pensam. Cá para nós, a forma como se ensina Português nas escolas é um crime. Um escândalo. Uma forma, como diz um amigo professor, de criar amputados mentais.
Porque os miúdos não aprendem a ler e escrever. Os miúdos aprendem apenas, e de um modo rápido, a detestar a disciplina e a afastarem-se, para todo o sempre, da leitura e da escrita.
Na disciplina de Português não se viaja pelo pensamento. Atraca-se num lodo de gramática, campo árido para burocratas da língua que são o prolongamento de tudo o resto. Infelizmente, estudar o que deveria ser o centro do que somos, a nossa identidade, faz-me lembrar os dias em que era obrigado a tomar óleo de fígado de bacalhau.
O que queremos? Uma disciplina que nos ensina o que depois esquecemos? Ou uma que estimule o pensamento, que desafie à leitura e à escrita, que desencadeie nos miúdos os mecanismos de intuição que apenas estão ao alcance de quem lê.
Para já tudo mal. As médias em Português são abaixo de medíocres. A maioria dos alunos não sabe interpretar um texto. Não consegue ler um livro e odeia de morte a disciplina – e têm razão para odiar. Então porque não mudar?
O problema está nos professores, oiço. Em alguns estará. É um rolo compressor, um efeito dominó em que, às tantas, os licenciados terminam os cursos a saber de gramática e nada da língua. Como os médicos que sabem de anatomia e depois, porque têm a obrigação de conseguir médias de 19, não têm tempo para o pormenor de conhecer alguma coisa do ser humano.
Em alguns estará. Professores que vêem as suas aulas como um exercício de poder em que, mais importante do que ensinar, mais importante do que alargar horizontes, é o seu próprio poder. Quantas vezes ouvi professores de Português a criticar Saramago por não saber colocar as vírgulas nos lugares certos? Porém, estou em crer que a maioria gostaria que fosse de uma outra maneira. Se pudessem, escolheriam ser o professor do Clube dos Poetas Mortos e não merceeiros de tempos verbais – ainda por cima de tempos verbais pouco ou nada adequados à realidade.
Desculpem-me o desabafo. Uma fuga ao sentido desta crónica semanal. Regra geral, conto histórias de pessoas, pequenos segredos, histórias da História. Hoje, foi um pouco diferente. Penso, ainda assim, em pessoas.
No José Manuel Rodrigues da Silva, primeira referência no jornalismo cultural que ensinou a várias gerações a importância de saber medir o movimento interior, a decisiva importância de conhecer as palavras para melhor utilizar o silêncio.
No António Lobo Antunes que me explicou o quanto o irritavam os que escreviam deixando as ferramentas todas à mostra – quando a escrita, a essência do pensamento era precisamente o da depuração, o exercício da procura do que não existe antes de ser pensado.
Ou de Vergílio Ferreira que a propósito de escrever, escreveu: «Que é escrever? Que é pensar? Quem é o dono do que existiu através de nós? Quem escreve o que escrevemos? Não há outro autor senão o seu autor. Mas há para lá disso o mistério de nós no que foi mistério revelado. Mistério de nós. Mistério da própria língua. Talvez o insinuado modo de ser destino em nós o destino».
Uma conta a pagar, escrevo no primeiro parágrafo. Uma conta colectiva, acrescentaria agora. De homens e mulheres que nascem e vivem cinzentos. Incapazes de ler nas entrelinhas. De imaginar o que não vem nos livros. De criar o que nunca foi criado. De escrever um texto que os faça especiais, que nos ensine alguma coisa, que nos obrigue ao pensamento. Burocratas que ‘marrarão’ nos verbos e nada saberão de uma casa que é de todos. A nossa identidade.
Nunca seria um bom aluno na disciplina de Português. Esqueci-me de tudo o que aprendi, mas quando, aos dez anos, li O Meu Pé de Laranja Lima, algo de indecifrável se abriu à minha frente. Uma urgência de saber, de conhecer, de me surpreender.
E no final de um livro passei a começar outro. Até que um dia, depois de ler O Amante, de Marguerite Duras, sentei-me de frente para as minhas vírgulas, pontos, complementos e predicados. Falou mais alto a urgência de descobrir um caminho, a necessidade de pensar na minha língua, de pensar naquilo que me faz ser único sendo o mesmo que tantos.
O nosso país é a nossa língua. Que é feita de sonho e pedra. Não deixemos as pedras esmagarem o sonho. Se o fizermos formaremos uma elite de pedreiros, mas nunca seremos arquitectos. Ajudaremos a construir os países dos outros, não a sonhar um país feito do que somos. Das nossas entranhas e coração. O destino de Portugal também passará por aqui. Pelo que formos capazes de escrever. De pensar.

Data: 19/02/2013         
Fonte: http://sol.sapo.pt/inicio/Opiniao/interior.aspx?content_id=68507&opiniao=Opini%EF%BF%BDo

7 comentários:

  1. Chamar «merceeiros dos tempos verbais» a professores que ensinam gramática faz-me lembrar daquelas sumidades, ordinariamente economistas, que, quando um governo «ameaça» só de tentar pôr as contas em dia, logo o tacham de se limitar a fazer contas de merceeiro. Em Portugal, terra de gente altamente especializada, os merceeiros parece que não andam lá muito bem vistos. Entretanto, lá diz e repete Medina Carreira, «um velho de aspeito venerando», que o que faz falta entre tanto perdulário são donas de casa com as contas em dia.
    Se o sacrossanto Jovem, como agora lhe chamam, não aprende gramática – que está para a língua e letras e humanidades como a matemática para as ciências – na escola, nunca jamais em tempo algum a aprenderá, e os resultados estão à vista todos os dias na miséria que por aí se vai gaguejando e escrevinhando na imprensa, rádio, tv e disco.
    Para alguém poder esquecer a gramática, precisa primeiro de a aprender. Este pessoalzinho quer todo e logo ser filósofo e pensador e criativo, sem se dignar suar primeiro as estopinhas a apetrechar-se com o bê-á-bá.
    Mas «a gramática vinga-se dos que a ignoram» (Lutero), e «Un homme est d’autant plus libre en esprit que ses gestes sont réglés par un rituel, et le choix de ses mots par une syntaxe rigoureuse» (A. Maurois).
    E este ritual e esta sintaxe rigorosa não caem do céu. Aprendem-se com estudo e aplicação e mais ou menos esforço consoante as capacidades de cada aluno, estudo e aplicação que implicam esforço e algum enfado, quase por definição; e cultivam-se ao longo da vida com exercitação mais ou menos regular segundo a profissão e necessidade de cada qual.
    Quanto ao mais, frioleiras e votos pios da costumada bem-pensância oficial, que deu com os burrinhos na água – e na educação.
    - Montexto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para ficarmos esclarecidos, não sou contra a aprendizagem da gramática. É como ir à oficina afinar o motor. O problema é quando de tanto se querer afinar o automóvel (morfossintaxe, ortografia, pontuação...)... ele nunca sai para a estrada (prática da comunicação escrita e oral).
      Em muitas salas de aula, o peso da alavanca é mais pesado do que o fardo que é suposto ela ajudar a levantar: «La grammaire est l'art de lever les difficultés d'une langue ; mais il ne faut pas que le levier soit plus lourd que le fardeau.» - Rivarol
      Bom serão!

      Eliminar
  2. Nos últimos 30 e tal anos pode-se ter pecado por muita coisa no ensino do português, mas não decerto por se ensinar gramática de mais.
    - Mont.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Montexto dixit! Assim sendo, nada mais havendo a acrescentar, pela minha parte, sessão encerrada.

      Eliminar
  3. Responda Castilho ao menino Osório: «Sendo, ela Gramática, o alicerce de toda a Retórica, e Lógica, a primária condição de todo o discurso, e a indispensável argamassa de todo o edifício de ciência, nada há mais miserável, e insolente ao mesmo tempo, do que o desprezo, em que hoje, comummente, a têm; e que, a cada passo, a esfolam, e desconjuntam, escrevendo, imprimindo, orando, legislando, e governando: e, que, pois imprensas, parlamentos, e secretarias, se não podem recambiar para a escola, bom é que», etc.
    O Tradutor e a Teoria da Tradução, Quarteto Editora, 2000, p. 50.
    - Montexto

    ResponderEliminar
  4. Boa Tarde! EStou com uma dúvida em uma questão da prova. Se puder me esclarecer ficarei muito agradecida.
    Observe atentamente a pontuação usada no trecho a seguir.
    ENCONTRAVA UMA LEOA COM AS SUAS CRIAS E OUVIA:
    A função dos dois pontos nesse trecho da história é:
    ( ) fazer uma afirmação
    ( ) enumerar a ordem dos animais
    ( ) indicar a fala direta da personagem
    ( ) retratar uma situação de admiração
    Qual a resposta correta???

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Apesar de faltar o contexto passagem em análise, parece-me que "indicar a fala direta da personagem" é a opção correta.
      Cumprimentos.

      Eliminar